Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
6/04/20 às 15h02 - Atualizado em 14/04/20 às 16h06

SDE ajudará empresas a tomar crédito no BRB

COMPARTILHAR

Em reunião virtual, empresários do DF relataram dificuldades de acesso aos empréstimos

 

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) está disposta a ser o canal para facilitar o acesso das empresas do Distrito Federal às linhas de crédito do Banco Regional de Brasília (BRB) destinadas a socorrer o setor privado durante a epidemia do coronavírus.

 

A garantia foi dada pelo Subsecretário de Relações com o Setor Produtivo da SDE, Márcio Faria Júnior, durante reunião com empresários organizada pelo Sindicato do Comércio Varejista do Distrito Federal (Sindivarejista) realizada hoje, dia 6. Também participou do evento o diretor de Redes e Canais do BRB, Dario Garcia.

 

“A SDE será o canal para as empresas acompanharem a solução de seus eventuais problemas junto ao banco. Vamos dar prioridade à análise de documentos e respostas rápidas para que não percamos tempo”, disse o subsecretário.

 

De acordo com Márcio Mafra, dirigente do Sindivarejista a entidade está fazendo uma pesquisa entre seus associados para levantar as dificuldades de contrair os empréstimos colocados à disposição pelo BRB, que podem chegar a R$ 1 bilhão dentro do programa Supera DF, conforme já foi anunciado pelo governador Ibaneis Rocha.

 

O BRB já atendeu a 1,3 mil empresas por meio do Supera-DF e, segundo balanço parcial divulgado na sexta-feira (3), foram liberados mais de R$ 100 milhões. Outra importante medida que faz parte do programa é a oferta de carência de 90 dias para pagamento de crédito imobiliário e outras linhas de crédito, inclusive a modalidade consignado. Para isso, os clientes precisam estar adimplentes ou com atraso a partir de 18 de março.

 

O empresário que deseja investir, tem até 24 meses de carência e 60 meses para pagar, com juros de 0,92% ao mês. Os cartões terão seis meses de carência e 36 meses para pagar a 0,80% de juros. Para capital de giro, a carência será de um a quatro anos para quitar a dívida.