Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
20/02/20 às 15h46 - Atualizado em 31/03/20 às 14h10

Programa de desenvolvimento do GDF vai criar 2,4 mil empregos este ano

COMPARTILHAR

Em três anos serão cerca de 10 mil novas vagas no comércio, serviços, construção civil e indústria

 

O Emprega DF, novo programa de geração de emprego e renda lançado pelo governador Ibaneis Rocha, já garantiu a criação de mais de 2,4 mil novas vagas de trabalho que serão abertas ao longo deste ano em quatro empresas de vários setores da economia. O Diário Oficial desta quinta-feira (20) publica a adesão do Supermercado Comper ao programa com a previsão de criar 1,5 mil empregos diretos e outros 225 indiretos.

 

Até 2022 as quatro empresas que já formalizaram a adesão ao programa se comprometeram a abrir mais de 10 mil empregos diretos indiretos. Além do Comper, desde novembro, quando foi implementado, o benefício concedeu desconto de 67% no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) a outras três grandes empresas: SKS Industria de ferragens para a construção civil, grupo Mafra e Novo Mundo em troca da abertura de vagas de trabalho.

 

O grupo Novo Mundo, que vai instalar seu centro de distribuição em Brasília, já teve sua adesão ao benefício aprovada pelas secretarias de Desenvolvimento Econômico e Economia e prevê a criação de 362 empregos diretos este ano, 462 em 2021 e a contratação de 500 novos funcionários em 2022 (veja tabela).

 

Os Termos de Acordo do Regime Especial já formalizados pelos secretários de Desenvolvimento Econômico, Ruy Coutinho, e da Economia, André Clemente, com os quatro grupos empresariais prevê a ampliação do número de vagas a cada ano para que o ICMS seja descontado.

 

“Este programa é mais um instrumento que o governo oferece ao empreendedor para incentivar a ampliação dos negócios e a atração de novos investimentos para o DF”, diz o titular da SDE, Ruy Coutinho. “A procura pelo benefício mostra a fé do empresário na recuperação econômica do país e do DF”, acrescentou.

 

Gerido em conjunto pela SDE e a secretaria de Economia, a concessão do benefício exige das empresas a elaboração de projeto de viabilidade econômico-financeira com a estimativa de novos investimentos, do faturamento da arrecadação de impostos. As quatro empresas que aderiram ao programa estimam um faturamento de R$ 6,4 bilhões em três anos e arrecadação de R$ 158 milhões de ICMS.