Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
18/09/17 às 18h50 - Atualizado em 8/11/18 às 16h46

Setor produtivo vai apresentar projetos para o Entorno

COMPARTILHAR

 

Transporte, saúde e água devem ser prioridade

 

O secretário de Economia, Desenvolvimento, Inovação, Ciência e Tecnologia (SEDICT) Valdir Oliveira é o novo representante do Distrito Federal no Conselho de Administração da RIDE (Regiões Integradas de Desenvolvimento) para o Entorno do DF. A nomeação, indicada pelo governador Rodrigo Rollemberg está publicada no Diário Oficial da União do dia 6 de setembro. A RIDE foi criada em 1998 com o objetivo de promover o desenvolvimento da região que engloba 19 municípios goianos e três mineiros em torno da capital do país.

 

O secretário Valdir Oliveira acredita que não é possível falar em desenvolvimento do Distrito Federal sem pensar na região metropolitana. “O Distrito Federal e a Região Metropolitana formam uma única célula territorial, com várias integrações de cadeias produtivas, com impactos em geração de emprego e renda. Daí a importância de trabalharmos o nosso modelo de desenvolvimento integrando à RIDE”, explica Valdir Oliveira.

 

No próximo dia 27, uma equipe da Subsecretaria de Relação com o Setor Produtivo da SEDICT terá encontro com empresários para saber quais as maiores necessidades do Entorno na opinião do segmento. Prefeitos da região que quiserem podem comparecer ao encontro, que será na sede da Federação das Indústrias de Brasília, FIBRA.  São 15 as modalidades de projetos de desenvolvimento que poderão ser trabalhados pela ride (veja quadro abaixo).

 

“É preciso saber o que é prioridade nesse momento para o Entorno”, avisa o subsecretário Márcio Faria Júnior. Mesmo que o levantamento esteja ainda no início, ele já tem uma ideia do que requer urgência. “Transporte viário, saúde e captação e distribuição de água”, adianta.

 

Da parte da SEDICT, a vontade é que haja rapidez nas ações. “Acho que até o fim do ano já poderemos ter prioridades indicadas e estaremos prontos para os trâmites administrativos necessários para se tocar os projetos”, acredita Márcio Faria Júnior.