Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/07/17 às 16h42 - Atualizado em 8/11/18 às 16h46

Nova loja no Polo JK aberta com investimento de R$ 25 milhões

COMPARTILHAR
Hipermercado vai empregar mais de 800 pessoas
André Giusti

 

O grupo brasiliense Big Box inaugurou, nesta segunda-feira (3), o quinto hipermercado da rede voltado para o atacado. A loja, de 4,5 mil m², fica no Polo JK e vai gerar 250 empregos diretos e mais de 600 indiretos, utilizando a mão de obra de quem mora em Santa Maria, Gama e cidades próximas, como Novo Gama e Val Paraíso, ambas no Entorno do Distrito Federal. Entre infraestrutura e estoque, o grupo investiu R$ 25 milhões.

 

Com o hipermercado, que se chama UltraBox, a rede espera conseguir um movimento diário de 2,5 mil consumidores. A loja chega ao Polo JK justamente no momento em que o Governo de Brasília inicia a revitalização do local com obras de melhoria da infraestrutura e geração de energia. “Optamos pelo Polo JK porque ele está rodeado de um conjunto de cidades que somam quase meio milhão de habitantes”, explicou o gerente de operações do Big Box, Marcos Peçanha. “Com esse empreendimento aqui, a gente faz o inverso do que temos ouvido por aí nos últimos anos. Na verdade nós vamos trazer o morador do estado vizinho(Goiás) para consumir no Distrito Federal porque esse empreendimento vai atrair consumidores pela sua localização”, comemorou o secretário de Economia e Desenvolvimento Sustentável, Valdir de Oliveira. Ele acompanhou o governador Rodrigo Rollemberg no café da manhã oferecido pela empresa para marcar o início das atividades do hipermercado.

 

Valdir de Oliveira enxerga no empreendimento a confirmação de que a economia do DF começa a viver novos tempos. “Essa retomada e essa indicação de melhorias no Polo JK, faz com que eu não tenha dúvidas de que vão trazer muitos empresários para se instalarem, investirem e crescerem aqui no DF e os que foram terão a ideia de voltar”, completou o secretário, fazendo referência a empresas que deixaram o DF nos últimos anos por falta de incentivos fiscais e tributários e também por causa da precariedade das instalações do Polo JK.