Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
3/10/19 às 9h36 - Atualizado em 29/10/19 às 9h24

Comitê propõe educação empreendedora como disciplina nas escolas

COMPARTILHAR

Sugestão será levada ao Fórum das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

 

Representantes da FAMICRO, AJE, PGDF, SEBRAE e OAB

Incluir no currículo das escolas do Distrito Federal a disciplina Educação Empreendedora. Esta será a principal sugestão que o Comitê Temático Capacitação, Informação e Rede de Disseminação levará, em novembro, ao Fórum das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

 

A proposta foi definida nesta quarta-feira (2) na primeira reunião do grupo técnico formado por assessores das secretarias de Desenvolvimento Econômico e de Ciência e Tecnologia, Sebrae, Federação do Comércio e das micro e pequenas empresas do DF e Entorno (Famicro), OAB, Procuradoria e associação de jovens empresários.

 

O objetivo de incluir a nova disciplina Educação Empreendedora nas escolas é despertar nos alunos, ainda adolescentes, a cultura do empreendedorismo para incentivar desde cedo a livre iniciativa, negócios mais criativos e tocados de forma segura. A alteração da grade curricular será feita de acordo com a Secretaria de Educação e será proposta oficialmente pelo Fórum presidido pelo titular da SDE, Ruy Coutinho.

 

A reunião desta quarta-feira no Simplica PJ, em Taguatinga, contou com a participação do professor da UnB, Luiz Afonso Bermudez, coordenador do comitê e reitor da faculdade do Senac, que tratou do tema Capacitação, Informação e Rede de Disseminação. “O Fórum tem o compromisso de gerar um ambiente de negócios mais favorável para os microempreendedores, com foco na redução da burocracia e o estímulo de crédito”, disse o subsecretário de Relações como Setor Produtivo (Suresp), Marcio Faria Junior.

 

Outros cinco comitês estão encarregados de elaborar estudos sobre desenvolvimento econômico. Até o final do mês outras cinco reuniões vão tratar de temas como investimento e financiamento, desoneração e desburocratização, inovação e tecnologia, compras governamentais e comércio exterior.