Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
13/08/19 às 17h36 - Atualizado em 23/08/19 às 16h32

BNDES vai elaborar projetos para ampliar privatização no DF

COMPARTILHAR

Além da CEB, o banco vai planejar vendas de outras estatais e até a concessão da Estação Rodoviária

 

Foto: Divulgação Agência Brasília

O Governo do Distrito Federal e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) assinaram, na manhã desta terça-feira (13), Acordo de Cooperação Técnica para a  elaboração de estudos prevendo privatizações de outras estatais além da CEB. Entre as empresas estudadas está a Caesb, Metro e até a concessão das operações da rodoviária do Plano Piloto.

 

O acordo de cooperação do GDF com BNDES é amplo. O banco vai definir novos modelos de participação e reorganização societária, aumento do capital de algumas estatais, outorgas e concessões, definição de Parcerias Público-Privada, arrendamento de bens público e transferências de participação estatal em empresas. “Não há mais razão para que empresas que não tenham ligação com as atividades típicas do Estado permaneçam sob controle estatal”, disse o titular da SDE. Entre as estruturas privatizáveis está até a Rodoviária do Plano Piloto de Brasília.

 

Para o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ruy Coutinho, o intervencionismo estatal no setor produtivo tornou-se excessivo e inviável. O acordo assinado nesta terça-feira vai vigorar por 36 meses, podendo ser prorrogado por igual período. Segundo Coutinho, o escopo do acordo de cooperação é amplo e pode ajudar na modelagem até de empreendimentos interestaduais, como a construção do gasoduto Brasil-Central, de 900 km, que sairá do norte de São Paulo, cortará Minas Gerais e Goiás até chegar no DF.

 

Ao defender a privatização das estatais, o governador Ibaneis Rocha, disse que é preciso concentrar os recursos em serviços essenciais. “Vamos discutir o que importa para o povo. Cada um pegando o seu bastão e levando na linha correta, vamos em pouquíssimo tempo entregar todos os serviços que precisamos”, disse o governador.

 

A iniciativa tomada pelo GDF acompanha uma tendência do governo federal que já iniciou uma série de privatizações em todo o país. Ao todo, 134 empresas devem ser privatizadas, vendidas ou extintas, adiantou o secretário nacional de Desestatização, Salim Mattar.  “Essa decisão em privatizar a CEB significa o retorno às origens do governo. Ele deve dedicar-se mais a qualidade de vida do cidadão”, acrescentou o secretário.

.